Alfaiataria Lusa

know-how

Os diferentes tipos de construções

Fatos e Casacos
por medida

O tipo de construção de um fato é essencial uma vez que define o grau de qualidade da peça e contribui imenso para a aparência. A combinação da tecnologia com as técnicas da arte sartorial (grande medida) permite à ALFAIATARIA LUSA propor aos seus clientes a escolha do tipo de manufatura que melhor lhes convém, principalmente, em termos de orçamento. Todas as fantasias são feitas com materiais inovadores e de qualidade sartorial, seja ela de construção mais acessível à mais exigente.

Construções disponíveis

Qualquer casaco por medida é montado em torno de um esqueleto central que lhe dá uma estrutura: o entrelaçamento.

Consiste numa mistura de algodão e crina de cavalo presa ao tecido externo com pontos de espinha de peixe muito precisos, feitos à máquina ou à mão, dependendo do tipo de fabrico.

A superfície do entrelaçamento de alfaiataria e a técnica usada para montá-la no tecido do fato darão o nome ao tipo de construção.

Industrial

Sem entretelas naturais e costuradas, substituídas por um material sintético mais rígido e coladas ao tecido. Essa construção geralmente chamada de "termocolagem" não é usada pela ALFAIATARIA LUSA.

Semi-tradicional

O plastron e as lapelas são compostas de uma entretela de alfaiataria e crina de cavalo montadas por pontos de costura.

Tradicional

Toda a frente do casaco é pregada com entretela de alfaiate e crina de cavalo montadas por pontos de costura.

Desconstruído

Praticamente nenhuma entretela de alfaiate é usada, o casaco fica com um aspecto fluído semelhante a uma camisa.

Entretelas

Utilizado como estabilizador entre o tecido externo e o revestimento, o entrelaçamento de alfaiataria é composto por uma mistura de algodão e crina de cavalo cujo equilíbrio resulta num maior conforto, durabilidade e vestibilidade.
A escolha dos materiais, do fio do algodão à crina de cavalo, é o resultado de uma pesquisa por matérias-primas que respeitam a tradição e enriquecidas com os mais recentes avanços tecnológicos.

Construção
Semi-tradicional

Para este tipo de construção são utilizadas várias camadas de entretelas entrelaçadas com crina de cavalo a fim de obter a curva do peito do casaco.

A entretela é um material natural que dá a forma da curva e a mantém, o que é essencial para o perfeito encaixe do peito do cliente. A crina de cavalo ajuda a entretela a encontrar rapidamente essa curva.

A entretela do plastron vai neste caso até à extremidade das lapelas, o que nos permite ter o “rollino”, característica de peças de confeção superior. Um desafio de desenvolvimento que nos permite obter um excelente compromisso preço, tradição e estilo.

Construção Tradicional

Construção rainha, a entretela de alfaiataria está presente em toda a frente do casaco, montada de forma totalmente tradicional sem cola, ela confere à peça uma durabilidade, uma vestibilidade inimitável.

Algumas vantagens deste tipo de construção:

Uma peça de vestuário com mais personalidade e alma, que se torna cada vez mais bonita, viva e confortável com o uso.

Mais durabilidade, resultante de uma melhor distribuição dos pontos de tensão causados pela montagem tradicional e uma boa capacidade de resistir à lavagem a seco.

Um melhor ajuste, graças à propriedade da crina de cavalo de se adaptar naturalmente às morfologias e para compensar as imperfeições físicas.

Confortável, graças ao seu método de montagem mais sofisticado que permite ótima liberdade de movimento e respirabilidade.

Integridade, demonstrando respeito pelas qualidades naturais dos tecidos que mantêm o caráter e a fluidez natural.

Destruturado

A nossa construção mais leve e fluida, com uma ausência quase total de entrelaçamento de alfaiataria, apenas uma peça muito pequena pode dar estrutura ao “plastron”.

Demonstrando o talento dos artesãos que operam no nosso atelier, o desconstruído conserva a simbologia de uma bela peça com uma vestibilidade e fluidez milimétrica. Construção ideal para os amantes de grande leveza e conforto.

Anatomia de um fato

Detalhes tradicionais presentes em todas as construções

Uma peça de vestuário tradicional começa com uma construção tradicional, onde o artesanato é óbvio.
As explicações a seguir descrevem brevemente o que isso implica em termos de benefícios de acabamento – conforto – vestibilidade. A construção tradicional envolve várias operações “Artesanais” sistematicamente realizadas nos 3 tipos de construção usados pela ALFAIATARIA LUSA.
Para obter o máximo conforto, são utilizados apenas materiais naturais, macios, flexíveis, leves e de alta qualidade.

Lapelas ‘Rollino’

A entretela é pregada às lapelas com uma ligeira tensão para obter a famosa lapela "rollino".

Entretelas

Em todos os casacos ALFAIATARIA LUSA, diferentes camadas de entretela e amaciador são entrelaçadas com crina de cavalo para que a parte frontal do casaco se adapte à forma do corpo, mesmo depois de ter sido usada várias vezes, mantém a sua forma. As diferentes camadas de entretela são separadas e livres entre o tecido e o forro, para proporcionar um ótimo conforto.

Golas

A gola dos casacos é alongada para poder virar as pontas e tornar invisível o feltro quando o casaco é usado. As extremidades
são presas por costuras à mão.

Forros e Mangas

Quando o casaco está em processo de construção, ele é virado para baixo para permitir a colocação dos suprimentos entre o tecido e o forro. Após a conclusão desta operação, o casaco é recolocado no lugar. A inversão do casaco ocorre através de uma abertura no revestimento da manga para evitar que a costura de fecho dessa abertura seja visível e torne o casaco desconfortável neste local.

Bolso de Peito ‘Barquetta’

O bolso no peito é uma das poucas partes do casaco com formato retangular. Uma forma arredondada é mais natural, mais equilibrada e mais harmoniosa em comparação com outras formas do casaco. Por outro lado, é uma operação complexa que implica muito tempo.

Ombros e Superfícies AMF

A função da costura AMF é manter o entrelaçamento e o tecido do casaco. Há apenas uma máquina no mercado capaz de executar esta operação, que são muito lentas. Por causa dessa lentidão, raramente se vê alem das lapelas à diferença do que propõe a ALFAIATARIA LUSA em todos os seus casacos. Este picado foi batizado com o nome do fabricante da máquina... AMF Reece.

Costura de Botões

Todos os botões são costurados à mão com um ponto de cruz e com “haste”. O ponto de cruz à mão reforça a fixação do botão. O uso da "haste" permite que o botão passe mais facilmente no caseado evitando vincos.

Costura do Forro

A fixação do forro na parte inferior do casaco mantém um certo afastamento em relação ao tecido de modo a que nunca seja visível quando estiver a ser usado.
O forro e o tecido são costurados na parte externa e na costura do casaco, operação rara porque geralmente este trabalho é feito pelo interior do casaco com um ponto reto e comum. Ao picar do lado de fora do casaco, o comprimento do revestimento pode ser perfeitamente adaptado ao comprimento do casaco.

Bolso de Moedas

No interior do bolso direito da calça, prático para moedas e outros pequenos objetos.

Passadores de Cinto

Eles são costurados usando um ponto de deslizamento para que não haja costuras visíveis no couro do cinto.

AMF dos bolsos laterais das calças

A costura AMF é usada aqui para manter o tecido dos bolsos das calças laterais no lugar, em vez de um ponto reto, mais económico.

Anatomia de uma camisa

Detalhes tradicionais presentes em todas as construções

Uma peça de vestuário tradicional começa com uma construção tradicional, onde o artesanato é óbvio. As explicações a seguir descrevem brevemente o que isso implica em termos de benefícios de acabamento – conforto – vestibilidade. A construção tradicional envolve várias operações “Artesanais” sistematicamente realizadas nos 3 tipos de construção usados pela ALFAIATARIA LUSA. Para obter o máximo conforto, são utilizados apenas materiais naturais, macios, flexíveis, leves e de alta qualidade.

Botões

Casas de botão bonitas, preenchidas, dão à camisa um visual mais luxuoso.

Número de pontos de costura por cm

O número de pontos por centímetro indica a natureza da costura. As camisas tradicionais usam 7 a 8 pontos por centímetro. Quanto maior o número, mais durável é a camisa. Apenas demora mais tempo a ser feita.

Rolinho

A parte de baixo da camisa é costurada com uma "barra enrolada", o que confere à camisa uma aparência mais elegante, já que a costura na parte de baixo da camisa é menos visível. Quanto mais estreita a bainha, mais complicada é a operação.

Costuras laterais ‘costura dupla’

A costura das costuras laterais é realizada com uma agulha dupla, sempre com o maior número de pontos por cm.

Botões de haste

A costura dos botões com um "caule" feito à mão facilita a aplicação e fortalece a retenção do botão.

Reforço na parte inferior da camisa

Este pequeno pedaço de tecido, chamado "mosca", é um reforço adicional nas costuras laterais da parte inferior da camisa que impede que os lados dianteiro e traseiro se rasguem. Aqui é feito e costurado à mão.